OZÔNIO NO TRATAMENTO DE EFLUENTES
NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS 

     A indústria de laticínios gera durante o seu processamento uma grande quantidade de efluente, com isso, o aumento na produção de leite deve estar associado à preocupação ambiental, pois os sistemas de tratamento devem estar preparados para descartar os efluentes com padrões legalmente aceitáveis, a fim de evitar futuros danos ambientais.

    Os efluentes líquidos gerados nos processos de produção de laticínios possuem elevados teores de matéria orgânica, gorduras, sólidos e nutrientes e são considerados a principal fonte de poluição dessas indústrias.

     O tratamento desses efluentes com ozônio geralmente é muito eficiente, e pode ser usado em combinação com processos biológicos como pré ou pós-tratamento.

 

    O pré-tratamento com ozônio pode melhorar a eficiência de um tratamento convencional, como as etapas de floculação, sedimentação ou o tratamento biológico. 

     Assim, a pré-oxidação com ozônio pode aumentar a biodegradabilidade do efluente produzindo moléculas menores, mais biodegradáveis e menos tóxicas.

 

    O tratamento terciário com ozônio é muito efetivo principalmente em águas residuárias com concentração de matéria orgânica menor de 1%, e para a oxidação de traços de compostos orgânicos recalcitrantes não removidos no tratamento biológico.

 

      Quanto a sua capacidade de desinfecção, o ozônio é um poderoso  desinfetante por causar inativação celular por dano direto à membrana e parede celulares, interrupção de reações enzimáticas e dano ao DNA. A eficiência da ozonização pode ser ampliada ao se combinar radiação ultravioleta ou aplicação de outros oxidantes fortes.